CRACK

O Crack surgiu em Meados da Década de 80, e tomou grandes proporções mundiais por ser mais barato e sua produção ser fácil. Mas em duas décadas o crack passou a ser uma Droga cara, fazendo com que os viciados gastem ainda mais dinheiro.
O crack dificilmente representa a estréia de alguém no mundo das drogas. No geral, a pessoa já experimentou outras, principalmente cocaína e maconha. Muitos costumam combinar o uso, ou seja, maconha com crack, o que também leva a um grande risco de dependência. A adesão ao crack se dá por curiosidade, para sentir efeitos mais fortes ou por questões econômicas, já que é mais barato por grama que a cocaína. O nome dessa droga vem do ruído característico produzido pelas pedras quando estão sendo decompostas pelo fumo. Existe uma variação do crack que tem um poder alucinógeno ainda maior: a merla. Ela é feita com sobras do refino da cocaína misturada a querosene e gasolina. Por apresentar um aspecto de pedra, no caso do crack, e pasta, no caso da merla, tanto um quanto o outro não podem ser transformados em pó fino e, portanto, aspirados como a cocaína

O QUE É: É uma droga cerca de cinco vezes mais potente que a cocaína, sendo também relativamente mais barata e acessível que outras drogas, o crack tem sido cada vez mais utilizado, e não somente por pessoas de baixo poder aquisitivo, e carcerários, como há alguns anos. Atualmente ele é bastante consumido em várias cidades do Brasil e assustadoramente consumido por cerca de 600 000 pessoas, isso, somente no Brasil.
 

DO QUE É FEITO: O crack é feito de uma mistura de cocaína em forma de pasta não refinada com bicarbonato de sódio. Esta droga se apresenta na forma de pequenas pedras e pode ser até cinco vezes mais potentes do que a cocaína.

COMO É FEITO: A mistura das substâncias é fervida para separar a parte sólida, e depois ela é resfriada.
A parte sólida é posta para secar e depois cortada em pequenas pedras.

1. O Pó da Cocaína é dissolvido em água quente
2. Depois é adicionado Bicarbonato de Sódio ou Enxofre à mistura
3. A solução obtida é fervida para separar a parte sólida
4. Depois há resfriamento o da mistura separada
5. Depois acontece a filtragem da mistura fria para isolar os sólidos
6. Fica pronto assim o Crack.


COMO É O USO: Sua principal forma de consumo é a inalação da fumaça produzida pela queima da pedra. É necessário o auxílio de algum objeto como um cachimbo para consumir a droga, muitos desses feitos artesanalmente com o auxílio de latas, pequenas garrafas plásticas e canudos ou canetas O usuário coloca a droga em um pequeno cachimbo.
De um lado do cachimbo, um pedaço pequeno de palha de aço do outro, a pedra que
Quando é aquecida por baixo, produz um vapor ou fumaça que é aspirada.
O crack também é misturado a cigarros de maconha, ao qual se dá o nome de piticos.
 


EFEITOS: O efeito do crack dura, em média, dez minutos. Os pulmões conseguem absorver quase 100% do crack inalado, ou seja, ele se dissipa facilmente na corrente sanguínea, chegando rapidamente ao cérebro. O crack chega ao cérebro em 8 a 12 segundos, e provoca intensa euforia e autoconfiança.


DEPENDÊNCIA: as substâncias do crack fazem com que a dopamina, responsável por provocar sensações de prazer, euforia e excitação, permaneça por mais tempo no organismo. Outro aspecto da dopamina é a capacidade de provocar sintomas paranóicos, quando se encontra em altas concentrações.

Perseguindo esse prazer, o indivíduo tende a utilizar a droga com maior frequência. Com o passar do tempo, o organismo vai ficando tolerante à substância, fazendo com que seja necessário o uso de quantidades maiores da droga para se obter os mesmos efeitos. Apesar dos efeitos paranóicos, que podem durar de horas a poucos dias e pode causar problemas irreparáveis, e dos riscos a que está o sujeito; o viciado acredita que o prazer provocado pela droga compensa tudo isso. Em pouco tempo, ele virará seu escravo e fará de tudo para tê-la sempre em mãos. A relação destas pessoas com o crime, por tal motivo, é muito maior do que em relação às outras drogas; e o comportamento violento é um traço típico..
 



 

COMO O CRACK AGE NO ORGANISMO: Um corpo que cai em estado gasoso, ou seja, fumaça; a cocaína principio ativo do crak; chega aos alvéolos pulmonares pontas do sistema respiratório onde é feita a troca entre gás carbônico e oxigênio. A droga entra na circulação pelos alvéolos e atinge o coração. Começa a agir nos órgãos mais irrigados do corpo, especialmente no cérebro.
No sistema nervoso central, interfere nos neurotransmissores que fazem a comunicação entre os neurônios que fazem a comunicação entre os neurônios; e hiper-estimula a atividade motora. O bem estar e a euforia duram de dois a cinco minutos.
A pressão arterial aumenta assim como os batimentos cardíacos; provoca convulsão, há riscos de enfarte e de derrame cerebral. O crak então chega ao fígado onde é metabolizado. Vai até os rins que o eliminam pela bexiga.


OS SINTOMAS DOS VICIADOS QUANDO FICAM SEM A DROGA:
• Ansiedade;
• Necessidade intensa da droga;
• Irritabilidade;
• Agitação;
• Exaustão;
• Raiva;
• Depressão.

OUTROS NOMES POPULARES PARA O CRACK SÃO:

1. Pedra
2. Pitada
3. Pino
4. Merla
5. Casca
6. Tijolo


VALOR NO MERCADO: O baixo custo da pedra, revela-se ilusório. Empurrado para o precipício da fissura, o dependente precisa fumar 20, 30 vezes por dia. Desfaz-se de todos os bens, furta de familiares e amigos e, por fim, começa a cometer crimes.
O valor de cada pedra de crack pode variar de R$ 5,00 a R$ 20,00, e esta variação dependerá de seu peso em gramas. Os usuários da droga chegam a utilizar 20 pedras de crack por dia.

 

COMO SUPERAR O Vício: Procure um dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) que prestam auxílio aos dependentes químicos. É um serviço de saúde aberto e comunitário do Sistema Único de Saúde (SUS). São proporcionados desde cuidados clínicos até atividades de reinserção social do paciente, como o acesso ao trabalho, ao lazer e aos direitos civis e o fortalecimento dos laços familiares e sociais. A equipe do CAPS é composta de psiquiatras, psicólogos, terapeutas ocupacionais, professores de educação física, assistentes sociais, enfermeiras e auxiliares de enfermagem.
Se tropeçar na pedra, é possível levantar. Logo é preciso que o drogado queira cuidar da sua saúde, pois facilita para uma rápida recuperação. Há tratamentos, oferecidos pelos SUS gratuitamente como:
• Centros de atenção psicossocial;
• Programas de redução de danos;
• Atenção básica;
• Consultórios de rua;
• Internação;
• Assistência social.

FAMILIA:
É importante lembrar que, o papel da família no tratamento do usuário de substâncias psicoativas é extremamente importante. Para que um familiar possa ajudar um dependente químico, é fundamental compreender que a dependência é uma doença e reconhecer a necessidade de buscar ajuda profissional. Manter a família unida e em condições de prestar apoio afetivo e social ao dependente também é indispensável para o sucesso do tratamento.